segunda-feira, 1 de março de 2021

A GALOPE CHEGOU A CRISE ECONÔMICA EM TARAUACÁ!


COVID-19, SEM AUXILIO EMERGENCIAL, SURTO DE DENGUE E ALAGAÇÃO. 

E AGORA, O QUE FAZER? 


Diante desse quadro caótico que se vive em Tarauacá, a única esperança é em Deus e na eficiência da nova gestão da Prefeita Lucinéia a ser comprovada, ou como diz o Presidente Bolsonario: A economia também mata, não é só a covid-19. 

Não se pode e nem se quer aqui com isso cobrar resultados imediatos na economia com tão pouco tempo, porem iniciativa sim! Pois como dizia o notável economista KENNYS na grande depressão de 1929: em economia a longo prazo estaremos todos mortos” isso quer dizer que tem que ser já! 

Logo já se vai para mais da metade dos 100 primeiros dias de gestão, e o que se tem pelo menos pensado para o fortalecimento da economia? Como por exemplo: a geração de emprego; aumento da renda per capita dos seus habitantes; para o crescimento do PIB no município; as diretrizes para a política de Investimentos nos setores primários e secundários da economia; a contenção do déficit publica; as estratégias para um crescimento do superávit primário; o crescimento da poupança coletiva; etc. diante desse cenário. 

Pois, qualquer gestor público tem da população 100% de credibilidade até os primeiros 6 meses de administração, a partir desse prazo começa uma queda vertinosa, caso não haja uma ação de impacto que venha mexer com a vida da população positivamente dentro da economia. 

A começar pela formação da equipe econômica de governo que gerenciara a política econômica do Município, caso ainda não tenha , assim como o Ministro Paulo Guedes que comanda a economia na esfera nacional. 

E logo vem, a pergunta que não quer calar? 

Já se tem alguma Secretaria ou órgão e seu titular que responda pela pasta da economia ou vai ainda ser criada e escolhido o titular dessa equipe econômica para comandar a economia do Município que é de vital importância para o desenvolvimento econômico e tirar o Município dessa crise que se arrasta desde a gestão passada que nada fez, sendo omissa nesse sentido, ou seguir o mesmo caminho da gestão anterior? 

A Boca de Fogo do Triangulo ficara na espera de um pronunciamento da atual gestão sobre a política econômica a ser trabalhada no Município e sua forma o mais rápido possível, antes que se agrave mais ainda a situação econômica no nosso Município para se fazer uma pré-avaliação, com base no conhecimento de causa, já que se trata de algo técnico e não político para se ter uma idéia lógica do que vira pela frente no futuro bem próximo. 

Economista Professor Edson

domingo, 28 de fevereiro de 2021

Tarauacá: Vem aí o novo "Blog Boca de Fogo" do Bairro do Triângulo

EDITAL DE FUNDADAÇÃO 
DO BLOG BOCA DE FOGO DO TRIANGULO 
Economista professor Edson 


Nasce o Blog Boca de Fogo do Triangulo partindo de uma necessidade de se ter um termômetro que meça os atos econômicos e sociais das gestões publica nas três esferas de governo: municipal (Tarauacá),estadual(Acre) e nacional (Brasil),para que as reportagens do blog sirva sempre como um referencial para os governantes, políticos, sociedade civil organizada, empresários e a sociedade de um modo geral. 

Será um blog que vai discorrer no campo das idéias sobre a política de gestão publica e privada,tendo como referencial sempre a política econômica tanto na visão Macroeconômica, como na microeconômica nas três esfera de governo, assim como nos fatos isolados da economia em nossa sociedade. Partindo sempre do principio de uma critica construtiva quando for o caso, embasado nos conhecimentos científicos da Ciências Econômica e Social, como também torcendo elogios nas ações positivas,sem defender cores partidárias ou grupos políticos, nem fazendo propaganda de política de determinada empresa, mas fazendo cobranças e sugerindo veredas que venha equilibrar as ações de desenvolvimento econômica em nosso Município, Estado e Pais no momento critico e tão difícil em que passamos com essa pandemia da covid-19. 

Todos estarão convidados a ler, primeira reportagem segunda-feira, dia 01 de março de 2021. 

“COVID-19, Surto de Dengue e Alagação, chegou a CRISE ECONOMICA EM TARAUACÁ”. O que fazer?

Prof. Edson Economista

Evaldo Freire em Tarauacá-Acre


Se escreva no canal: youtube.com/joaorego2010

Bolsonaro Dispara

Comunidades indígenas do Acre pedem socorro após cheia de rios destruir produção agrícola


Por Leônidas Badaró

As enchentes nos municípios acreanos têm provocado a perda de roçados de mandioca, banana e sistemas agroflorestais cultivados pelas comunidades. A criação de animais também foi seriamente prejudicada nas terras Indígenas situadas em Sena Madureira, Cruzeiro do Sul, Rodrigues Alves e Porto Walter, Tarauacá, Jordão e Santa Rosa do Purus.

De acordo com o Conselho Indigenista Missionário no Acre (CIMI), há relatos de alagações nas Terras Indígenas Kaxinawá do Rio Jordão, Baixo Jordão, Seringal Independência, Katukina-Kaxinawá, Igarapé do Caucho, Kaxinawá do Rio Humaitá, Alto Rio Purus e Igarapé Preto.

“Os roçados que ficam nas margens dos rios foram prejudicados. As pessoas perderam as plantações, este ano vai ter fome não só para os indígenas, para os ribeirinhos também”, diz o professor indígena Ulices Moisé Kaxinawa, vice-presidente Organização do Povo Indígena Huni Kuῖ Alto Rio Purus (OPIHARP) e que mora em Santa Rosa do Purus.


A Comissão Pró-Índio do Acre (CPI-Acre) e a Organização dos Professores Indígenas do Acre (OPIAC) junto aos DSEIs Alto Rio Purus e Alto Rio Juruá, iniciaram semana passada uma mobilização para atender às solicitações das famílias indígenas que tiveram que deixar suas casas em decorrência das inundações e estão com a segurança alimentar comprometida. A comunicação limitada e uma pane no sistema de telefonia, causado pelas chuvas, atrasou o envio das informações das Terras Indígenas, mas a CPI-Acre vem gradativamente recebendo vídeos, áudios e fotos de colaboradores indígenas que estão nos locais afetados.

O presidente da OPIAC, Eldo Shanenawa, que vive na aldeia Morada Nova, na TI Katukina-Kaxinawa, em Feijó, disse que a água causou sérios danos em sua aldeia e em várias outras da TI, deixando muitas pessoas desabrigadas, sem água e alimentos.





Em Sena Madureira, a Terra Indígena São Paulino, do povo Jaminawa, foi totalmente destruída pelas forças da água do Rio Iaco. As mais de 20 famílias que moram no local estão abrigadas em uma fazenda na outra margem do rio.

Francisca Arara, liderança indígena, explica a situação após as enchentes. “Muitas famílias vão precisar de apoio para a garantia da segurança alimentar, já que perderam tudo. Não é um sacolão que vai resolver, é preciso a doação de insumos para que eles possam retomar suas plantações, já que a gente planta para vender nos municípios, além da alimentação de cada família”, explica.
fonte: ac24horas.com

sábado, 16 de janeiro de 2021

Ribamar Trindade toma posse como Conselheiro do TCE com as bênçãos de Gladson



O ex-secretário da Casa Civil, José Ribamar Trindade, foi empossado no início da tarde desta sexta-feira, 15, no cargo de Conselheiro do Tribunal de Contas do Acre após intensa batalha nos tribunais. Ele ocupa a 6ª vaga que ficou desocupada após a morte do conselheiro José Augusto de Farias, 71 anos, em julho do ano passado, vítima de covid-19.

A cerimônia de posse de Ribamar ocorreu no auditório do Tribunal de Contas e contou com a presença de Conselheiros da Corte de Contas e também do governador Gladson Cameli e foi transmitida via rádioweb do portal do TCE.


Uma das poucas favoráveis a vinda de Trindade para o TCE, a Conselheira Naluh Gouveia afirmou que orou muito por ele nos últimos dias. “Eu orei muito pelo senhor, eu rezei mesmo, e quero dizer para você que o senhor não será o conselheiro do governador, mas sim o conselheiro do Tribunal de Contas do Estado do Acre”, disse.

O discurso de Naluh foi endossado pelo governador Gladson Cameli que afirmou que “Deus estava abençoando” seu ex-secretário. “Conselheiro Ribamar, Deus está te abençoando. Eu fiz um pedido a ele ontem. Deus te abençoe, te proteja e te ilumine”, resumiu.


Em tom apaziguador, Ribamar Trindade reforçou a importância da nova missão de ser Conselheiro. “Agradeço a todos os presentes e a todos os que me ajudaram a chegar até aqui. Chego na intenção de colaborar com a Corte da melhor forma possível e cumprir a missão constitucional”, frisou.

Diferente do que ocorreu nos tribunais, com direito a intervenção direta do Supremo Tribunal Federal (STF), o clima de posse de Trindade foi mais ameno, porém marcado por “olhares tortos” de alguns conselheiros como Cristovão Messias, Ronald Polanco e Antônio Malheiro, principais autoridades que patrocinaram uma ofensiva contra Trindade no judiciário na busca de empossa a conselheira-substituta Maria de Jesus Carvalho, que inicialmente chegou a ser indicada para vaga pelo governador, mas teve seu nome rejeitado pela Assembleia Legislativa sob alegação de não cumprir o requisito da idade já que ela tem 65 anos e a constituição e o regime do TCE aponta que o candidato para tomar posse precisa ter menos de 65.


A posse de Ribamar Trindade ocorreu após uma nova decisão do ministro Luiz Fux, do Supremo Tribunal Federal, que revogou nesta semana o efeito de uma decisão liminar deferida por ele próprio em dezembro do ano passado requerida pelo então presidente da Corte de Contas, Cristóvão Messias, que impedia [Ribamar] de tomar posse do cargo até que a decisão final do caso.

ac24horas.com

quarta-feira, 6 de janeiro de 2021

Bolsonaro afirma que o Brasil está quebrado e que ele não consegue fazer nada


Do UOL - O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) na parte externa do Palácio da Alvorada afirmou para apoiadores que o Brasil "está quebrado e eu não consigo fazer nada". O presidente ainda disse que a pandemia de Covid-19 tem sido "potencializada pela mídia".

“Chefe, o Brasil está quebrado, chefe. Eu não consigo fazer nada. Eu queria mexer na tabela do imposto de renda, mas teve esse vírus, potencializado pela mídia que nós temos, essa mídia sem caráter que nós temos. É um trabalho incessante para nos desgastar e voltar alguém para atender os interesses escusos da mídia”, disse o presidente.